sexta-feira, 25 de maio de 2018

Febre de Chikungunya é tema de palestra para agentes comunitários de saúde do PMF Badu





Com o objetivo de instruir os agentes comunitários de saúde para o emprego do conhecimento nas ações educativas a serem realizadas na comunidade, nesta quarta-feira (23/05) o setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – realizou palestra sobre Febre de Chikungunya no Programa Médico de Família do Badu.

Ministrada por Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira, a ação teve como metodologia o diálogo interativo com exibição de slide-show, e abordou os seguintes temas: histórico e conceito da arbovirose, sintomas, comportamento do mosquito transmissor (o Aedes aegypti), principais criadouros do inseto, distribuição de casos da doença no município, e métodos de controle do vetor de transmissão. 





Segundo a equipe, alguns agentes relataram que já sofreram com a enfermidade e conhecem usuários que estão sofrendo com a cronicidade da doença. “O evento foi bastante produtivo. Todos demonstraram entusiasmo com as informações recebidas. Apresentamos planilhas atualizadas com os casos de chikungunya na cidade”, avaliou Patrícia. 

Prestigiou a palestra, a supervisora de Saúde Coletiva de Pendotiba, Lúcia Bulcão, solicitante da atividade junto ao Comitê da Dengue que ocorre na Policlínica Regional do Largo da Batalha.


segunda-feira, 21 de maio de 2018

Educação em Saúde capacita agentes comunitários do PMF Maceió




Na última quarta-feira (16/05) agentes comunitários de saúde Programa Médico de Família João Sampaio, bairro Maceió, participaram de uma capacitação sobre arboviroses promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).

O objetivo foi preparar os novos profissionais para o emprego do conhecimento nas ações educativas na comunidade atendida pelo PMF.

Ministrada por Delcir Vieira e Patrícia de Oliveira, o treinamento teve como metodologia o diálogo interativo com exibição de slide-show, e abordou os seguintes temas: histórico das arboviroses, sintomas e os métodos de controle (físico, químico, biológico, legal, genético e integrado). 

“A atividade foi bastante produtiva. Destacamos a arbovirose chikungunya, em função dos recentes aumentos de casos no Estado. Ao final, sugerimos aos agentes novas formas de abordagens com os moradores resistentes a mudanças de hábitos e a construção de cartazes com informações sobre as doenças ilustradas por fotos dos criadouros mais encontrados na comunidade, para exposição na sala de espera da unidade, como forma de sensibilizar os usuários enquanto aguardam atendimento”, relatou Patrícia.

Devido à informação de casos de pediculose nas crianças no entorno, a equipe agendou palestra sobre o tema para o dia 30/05.










sexta-feira, 18 de maio de 2018

Febre Amarela é tema de palestra para os alunos do Colégio Castekinho




Com o objetivo de informar e alertar os estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental, a equipe de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC), do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) ministrou palestra sobre a febre amarela no Colégio Castekinho, em Piratininga, nesta quarta-feira (16/05).

Como a febre amarela voltou a ser motivo de preocupação em vários lugares do Brasil, desde 2017, depois que aumentaram os registros de casos da forma silvestre da doença, houve a necessidade de abordar o tema também nas escolas.


Com base nessa demanda, a equipe do IEC, formada por Élcio Nascimento e Rita de Cássia Costa, desenvolveu atividade educativa tendo como metodologia bate-papo interativo, nos moldes de palestra, e apresentação de slide-show.  Os agentes falaram sobre, formas de transmissão da doença, os mosquitos transmissores, grupos de risco, sintomas, tratamentos, e a vacina.
  
“Os alunos estavam bem afiados, pois as professoras tinham trabalhado o assunto previamente em sala de aula. Mesmo assim, demonstravam interesse em aprender mais. Muitos fizeram perguntas pertinentes sobre a vacina, o mosquito Aedes aegypti e sua reprodução, e a importância do macaco na vigilância da doença”, avaliou o palestrante Élcio.


terça-feira, 15 de maio de 2018

Teste rápido oferece diagnóstico de leptospirose em 20 minutos


O diagnóstico precoce da leptospirose é fundamental para início oportuno do tratamento dos pacientes, bem como para guiar a implementação de ações de prevenção e controle capazes de mitigar surtos e epidemias. Nesse contexto, uma equipe liderada pelo pesquisador da Fiocruz Bahia, Guilherme Ribeiro, avaliou a acurácia de diferentes exames diagnósticos da leptospirose, incluindo o teste rápido DPP (Dual Path Plataform, Plataforma de Caminho Duplo), que é capaz de dar resultado em apenas 20 minutos, desenvolvido por pesquisadores da Fiocruz e produzido conjuntamente pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) e a Chembio Diagnostics (EUA). Os resultados do estudo foram publicados na revista científica PLOS Neglected Tropical Diseases, no artigo Prospective evaluation of accuracy and clinical utility of the Dual Path Platform (DPP) assay for the point-of-care diagnosis of leptospirosis in hospitalized patients.

Composto por pesquisadores da Fiocruz Bahia, do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA), da Escola Médica de Harvard (EUA) e da Escola de Saúde Pública da Universidade de Yale (EUA), o grupo examinou pacientes internados no Hospital Couto Maia, centro de referência em doenças infecciosas em Salvador, que atende cerca de 90% dos casos de leptospirose na capital e região metropolitana.

O estudo incluiu 98 participantes com manifestações clínicas compatíveis com a leptospirose, como febre de início agudo, falha renal, icterícia, hepatite aguda, hemorragia espontânea e síndrome da diarreia ou constipação associada a febre e dor abdominal. Além destes, alguns pacientes apresentaram meningite asséptica, síndrome que pode eventualmente ser causada pela Leptospira, a bactéria causadora da leptospirose e que é transmitida pela urina de animais infectados, principalmente ratos de esgoto.

Os pacientes incluídos na pesquisa tiveram o diagnóstico definitivo de leptospirose confirmado ou afastado por meio de testes de referência (hemocultura para isolamento da bactéria no sangue dos participantes e microaglutinação, um teste sorológico em que se evidencia a presença de anticorpos aglutinantes no soro de pessoas infectadas pela bactéria). Além disso, os participantes foram testados pelo DPP e pelo método de detecção de anticorpos IgM contra leptospirose por meio do Elisa. Os resultados obtidos nesses testes foram comparados àqueles obtidos com os testes de referência a fim de determinar o desempenho de cada um desses testes avaliados.

O estudo concluiu que o teste DPP apresentou um desempenho em diagnosticar corretamente casos de leptospirose equivalente àquele observado no Elisa-IgM, com a vantagem de ser uma opção portátil, mais simples e rápida que o Elisa-IgM. Também, o teste DPP foi capaz de identificar corretamente 4 dos 5 pacientes que tinham meningite asséptica definitivamente causada por leptospirose. Os achados são importantes, pois expandem as opções para o diagnóstico rápido da leptospirose.


Fonte:  FIOCRUZ

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Higiene pessoal e pediculose são temas de palestra na Escola Helena Antipoff





Nesta semana, período de 08 a 10 de maio, a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) – realizou palestra sobre higiene pessoal e pediculose na Escola Municipal Helena Antipoff, em São Francisco.

O objetivo da ação educativa em saúde foi levar os alunos a perceberem a necessidade de adquirir bons hábitos de higiene, incentivando-os a conhecer e a cuidar do próprio corpo, evitando assim problemas de saúde como a pediculose e a sarna.

A atividade desenvolveu-se por meio de bate-papo interativo, nos moldes de palestra, e exibição de slide-show e vídeos.  As agentes Daniele Caviare e Leila Neves falaram sobre conceito de higiene, higiene pessoal e ambiental, limpeza corporal, lavagem das mãos e saúde, características do piolho, ciclo de vida e hábitos do inseto, prevenção e tratamento da pediculose e da sarna. 

“As palestras foram maravilhosas. As crianças ficavam curiosas, ou seja, se interessavam mais em saber a respeito dos piolhos e participaram ativamente com perguntas. Vale destacar que a organização da escola colaborou muito para o sucesso da atividade”, avaliou a palestrante Leila.