terça-feira, 31 de março de 2015

Promoção do Ambiente Saudável na Escola Municipal Governador Roberto Silveira





Alunos do Ensino Fundamental da Escola Municipal Governador Roberto Silveira, Morro do Castro, participaram do projeto Promoção do Ambiente Saudável nas Escolas nos dias 16, 18 e 30 deste mês.  A ação educativa é uma parceria da Fundação Municipal de Saúde com a Fundação Municipal de Educação, e realizada pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói, através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).

O objetivo é sensibilizar e mobilizar estudantes a uma reflexão sobre as interferências do ser humano no ambiente, visando criar estratégias de ações que facilitem a prevenção de agravos e doenças no meio em que vivem.

A metodologia aplicada pelos profissionais é baseada no referencial teórico construtivista, privilegia a ação do aluno que age sobre o objeto estudado observando, manipulando, concluindo, reformulando conceituações e utilizando o lúdico como estratégia – apresentações de teatro, elaboração de oficinas de trabalhos manuais, recorte de reportagens, coral musical, maquetes, exposição de fotos, entre outros meios.

Dos diversos temas apresentados pelo projeto, a unidade escolar optou por dengue e febre de chikungunya. A equipe que desenvolveu a atividade é formada pelos agentes Hugo Costa, Jonas Queiróz, Rodolfo Matta e Rosani Loureiro.


Terceiro encontro:  apresentação dos trabalhos









Segundo encontro:  oficina






Primeiro encontro:  concepções prévias






segunda-feira, 30 de março de 2015

Promoção do Ambiente Saudável na Escola Municipal Noronha Santos





Alunos do Ensino Fundamental da Escola Municipal Noronha Santos, bairro Fonseca, participaram do projeto Promoção do Ambiente Saudável nas Escolas nos dias 24, 25, 26,  30 e 31 deste mês.  A ação educativa é uma parceria da Fundação Municipal de Saúde com a Fundação Municipal de Educação, e realizada pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói, através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).

O objetivo é sensibilizar e mobilizar estudantes a uma reflexão sobre as interferências do ser humano no ambiente, visando criar estratégias de ações que facilitem a prevenção de agravos e doenças no meio em que vivem.

A metodologia aplicada pelos profissionais é baseada no referencial teórico construtivista, privilegia a ação do aluno que age sobre o objeto estudado observando, manipulando, concluindo, reformulando conceituações e utilizando o lúdico como estratégia – apresentações de teatro, elaboração de oficinas de trabalhos manuais, recorte de reportagens, coral musical, maquetes, exposição de fotos, entre outros meios.

Dos diversos temas apresentados pelo projeto, a unidade escolar optou por água, resíduos sólidos e pombos por considera-los mais importantes no contexto ambiental dos seus alunos atualmente. A equipe que desenvolveu a atividade é formada pelos agentes  Antônio Pessoa, Hugo Costa, Jonas Queiróz, Maria Cristina Crisóstomo, Rodolfo Matta e Rosani Loureiro.



Segundo encontro:  oficina






























Primeiro encontro:  concepções prévias










quinta-feira, 26 de março de 2015

Projeto Promoção do Ambiente Saudável nas escolas de Niterói



E.M. Governador Roberto Silveira


O Centro de Controle de Zoonoses, através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) realiza neste mês o projeto Promoção do Ambiente Saudável nas Escolas, em Niterói.  A ação educativa é uma parceria da Fundação Municipal de Saúde com a Fundação Municipal de Educação, e tem objetivo de sensibilizar e mobilizar estudantes a uma reflexão sobre as interferências do ser humano no ambiente, visando criar estratégias de trabalho que facilitem a prevenção de agravos e doenças no meio em que vivem.

E.M. Governador Roberto Silveira

A equipe do IEC apresenta nas escolas os temas dengue, febre de chikungunya, resíduos sólidos, água, roedores, pombos e caracol africano.  A metodologia aplicada pelos profissionais prioriza a construção do conhecimento pelo aluno e utiliza como atividades apresentações de teatro, elaboração de oficinas de trabalhos manuais, recorte de reportagens, coral musical, maquetes, exposição de fotos, entre outros meios.


Unidades que recebem o projeto neste mês:

Data
Atividade
Escola
10/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Resíduos Sólidos, Roedores, Caracol Africano e Pombos)
UMEI Olga Benário Prestes (Engenho do Mato)
12/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Dengue)
UMEI Olga Benário Prestes (Engenho do Mato)
16/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Dengue e Chikungunya)
E.M. Governador Roberto Silveira (Morro do Castro)
18/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Dengue e Chikungunya)
E.M. Governador Roberto Silveira (Morro do Castro)
24/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Água, Resíduos Sólidos e Pombos)
E.M. Noronha Santos (Fonseca)
25/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Água, Resíduos Sólidos e Pombos)
E.M. Noronha Santos (Fonseca)
25/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Resíduos Sólidos)
E.M. Prof. Marcos Waldemar de Freitas (Itaipu)
26/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Água, Resíduos Sólidos e Pombos)
E.M. Noronha Santos (Fonseca)
30/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Dengue e Chikungunya)
E.M. Governador Roberto Silveira (Morro do Castro)
31/03
Projeto Promoção do Ambiente Saudável (Dengue)
UMEI Olga Benário Prestes (Engenho do Mato)

segunda-feira, 23 de março de 2015

Você sabe quais são os sintomas da hantavirose ?



A hantavirose está associada à Síndrome Cardiopulmonar Pelo Hantavírus (SCPH) e à Febre Hemorrágica com Síndrome Renal (FHSR). Em 2014 foram confirmados 74 casos da doença no país e 26 óbitos, por isso a grande preocupação é a taxa de letalidade, cuja média é de 46,5%. A maioria dos pacientes acometidos necessita de assistência hospitalar.

Saiba mais:



Fonte:  Blog da Saúde - Ministério da Saúde.
Crédito da imagem:  Photolinc.

Vacina contra dengue pode sair em 2016



Vacina contra dengue pode sair em 2016

Uma das principais dificuldades para desenvolver uma vacina contra a dengue é o fato de ela ter que proteger contra os quatro sorotipos da doença. Pesquisadores de várias instituições, incluindo duas brasileiras, estão trabalhando para superar esse desafio.


Fonte:  Rio Contra Dengue - Governo do Rio de Janeiro

sábado, 21 de março de 2015

Serviço gratuito para diagnóstico da Esporotricose em Niterói


Parceria do Centro de Controle de Zoonoses e Universidade Federal Fluminense


As pessoas e animais infectados com esporotricose têm atendimento médico e veterinário gratuito em Niterói. O serviço é oferecido pelo Laboratório de Micologia Médica e Molecular do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense, por meio do projeto de Ações Integradas de Prevenção e Controle da Esporotricose. A ação conta com a parceria da Fundação Municipal de Saúde. 

A Unidade de Diagnóstico em Esporotricose Animal, para diagnóstico de gatos com lesões suspeitas, atende no Horto do Barreto (Av. Luiz Palmier s/n)  todas as terças-feiras das 10h às 14h. Já as pessoas com lesões suspeitas, devem procurar o Ambulatório de Referência em Esporotricose Humana, no Ambulatório de Dermatologia Sanitária Rene Garrido Neves, 3º andar da Policlínica de Especialidades Sylvio Picanço - Rua Ernani Amaral Peixoto, 169, Centro, Fone: 98877-6783.  

Leia mais:


Fonte:  Jornal O Fluminense - 21/03/2015.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Período de chuvas aumenta as chances de contaminação pela leptospirose



Durante o período das chuvas, cresce o perigo de infecção pela leptospirose, doença transmitida pela urina dos ratos, principalmente em regiões onde há alagamentos em decorrência das enxurradas.

Saiba mais, acesse o link:

Fonte:  Blog da Saúde - Ministério da Saúde
Fonte da imagem:  Fonte: Vira Mylyan-Monastyrska

quinta-feira, 19 de março de 2015

Alunos participam de palestra sobre dengue e chikungunya






Nesta terça-feira (17/03) alunos do ensino fundamental da Escola Primeiros Passos, bairro Caramujo, participaram de palestra sobre dengue e chikungunya promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).  O objetivo da ação é despertar as crianças sobre os cuidados que devem ser tomados e, principalmente, para que sejam incentivadores dos hábitos de prevenção em suas casas.

Os agentes Jonas Queiróz e Hugo Costa desenvolveram as temáticas com explanação e exibição de vídeo.  Para as crianças, a novidade foi conhecer a febre de chikungunya e saber que o mosquito da dengue (o Aedes aegypti)  pode transmitir o vírus causador desta doença;  ou seja, o perigo aumentou e os cuidados agora precisam ser maiores também.





Niterói realiza novo LIRAa para o controle da dengue e chikungunya.


Agentes do CCZ visitarão 8.190 imóveis em 52 bairros do município.







Nesta semana, agentes do Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) estão em campo para fazer o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa).  A ação começou nesta segunda (16/03) e vai até a próxima sexta-feira (20/03).

Serão vistoriados 8.190 imóveis nos 52 bairros do município – entre casas, prédios, terrenos baldios e outros espaços com possíveis focos de larvas do mosquito transmissor da dengue. Os agentes visitam esses locais para inspecionar e identificar os criadouros e, ao encontrar, coletar as larvas ou pupas para análise em laboratório. Durante essas visitas também estão sendo reforçadas as ações educativas.  

O Ministério da Saúde considera o LIRAa um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da dengue e chikungunya. O levantamento identifica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor das doenças e os tipos de recipientes com água parada, que servem de criadouros mais comuns. A pesquisa proporciona informação qualificada para atuação das prefeituras nas ações de prevenção e controle, permitindo a mobilização de outros setores, além das secretarias de saúde, como os serviços de limpeza urbana e abastecimento de água.

Com base nas Diretrizes Nacionais para Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue (2009) são considerados satisfatórios os municípios que apresentam larvas do mosquito em menos de 1% dos imóveis pesquisados.  São classificados como estado de alerta locais entre 1% e 3,99%.  E acima de 3,99%, locais de risco.

De acordo com o Serviço de Controle de Vetores do CCZ, este é o segundo levantamento realizado em 2015.  Em janeiro o LIRAa constatou a presença do Aedes aegypti em 1.5% dos imóveis visitados. Os levantamentos continuam a apontar que a maioria dos focos do mosquito está nas residências.


Atualização (09/04/15):

O resultado apurado neste último LIRAa mostrou a presença do Aedes aegypti em 2,2% dos imóveis visitados.