sexta-feira, 29 de abril de 2016

Alunos da Escola Municipal Heloneida Studart aprendem sobre arboviroses





Com o objetivo de despertar nos alunos a importância de se combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti no ambiente de convívio, evitando assim as arboviroses por ele transmitidas (dengue, zika e chikungunya), a equipe de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses, realizou palestra na Escola Municipal Heloneida Studart, em Várzea das Moças, nesta terça e quinta-feira (26 e 28/04).

A ação educativa em saúde foi ministrada pelos agentes Élcio Nascimento e Rita Costa por meio de bate-papo interativo e apresentação de slide-show.  Os profissionais abordaram o tema, destacando:  três doenças e seus sintomas, os riscos à saúde, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.

Participaram da atividade turmas de aceleração, 4º e 5º anos do ensino fundamental. Dúvidas e questionamentos foram expostos por boa parte das crianças, suscitando debates e oportunidade de esclarecimento.  O interesse maior e comum entre a garotada foi em saber mais sobre os sintomas das doenças, a imunização e o tempo de dessecação dos ovos do Aedes aegypti no ambiente. 



quinta-feira, 28 de abril de 2016

Escola Municipal Moreira Franco recebe palestra sobre arboviroses





Nesta segunda-feira (25/04), a Escola Municipal Ernani Moreira Franco, comunidade do Bonfim, recebeu a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde – do Centro de Controle de Zoonoses – para uma palestra sobre arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti – dengue, zika e chikungunya. O objetivo foi despertar nos estudantes a importância de se combater a proliferação do mosquito no ambiente de convívio. 

A ação educativa foi desenvolvida pelos agentes Maria Cristina Crisóstomo e Rodolfo Mata por meio de bate-papo interativo e apresentação de slide-show. Os alunos do ensino fundamental e seus professores aprenderam mais sobre as três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.  

As crianças participaram positivamente, demonstrando interesse na atividade proposta e expondo o que sabem para evitar a proliferação de mosquitos em casa e na escola.  A maioria apresentou algum relato ou questionamento, que foi prontamente colocado em debate e esclarecido pelos palestrantes. 

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Segundo encontro do Curso de Formação Básica de Agentes de Vigilância em Saúde



Dando continuidade à participação no Curso de Formação Básica de Agentes de Vigilância em Saúde, agentes comunitários da rede municipal de saúde assistiram na última terça-feira (19/04) ao segundo módulo da programação, O Processo de Trabalho da Vigilância em Saúde, no auditório do Núcleo de Ensino Permanente e Pesquisa (NEPP), Centro.

A ação educativa é uma iniciativa do NEPP em parceria com o Centro de Controle de Zoonoses – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, e da Seção de Controle Ambiental.  O objetivo é formar profissionais de nível médio, responsáveis pela execução das ações de Vigilância em Saúde que atuam no âmbito do Programa Médico de Família, oferecendo-lhes subsídios teórico-práticos relativos à globalidade do processo de trabalho que contribuam para a adoção de uma prática mais crítica, reflexiva e inovadora.

O curso, iniciado neste mês, foi desenvolvido com base no PROFORMAR e é dividido em oito módulos com um total de 36 horas /aula e ainda 100 horas /aula destinadas à produção dos trabalhos de campo e de conclusão.  Os encontros serão quinzenais, no mesmo auditório, com duração de três meses.
Nesta segunda exposição, os profissionais Cláudio Moreira (Controle Ambiental) e Devylson da Costa Campos (Laboratório de Zoonoses) falaram sobre os processos da vigilância em saúde para uma turma de 24 agentes envolvidos no Programa Enseada Limpa.

Para Devylson Campos, o principal desafio do curso é poder compartilhar conhecimento.  “Instruir indivíduos inseridos na realidade das comunidades e dar mais ferramentas para que possam, com a grande importância que tem, realizar o papel do gestor público transformando a realidade de muita gente”, acredita o palestrante.

Ainda segundo o instrutor, o envolvimento dos alunos é um medidor de resposta importante no que diz respeito ao interesse no tema proposto:  “Podemos dizer que este termômetro, já no segundo dia, está aquecido com calorosos debates. Corrigi os trabalhos que pediam informações detalhadas da micro área de cada participante e tudo veio com riqueza de detalhes, empolga qualquer palestrante!  Os próximos encontros prometem, isso porque são mais informações, e serão exigidos mais detalhes nas tarefas que, a partir de agora, serão feitas em grupo e bem complexas.”







PROFORMAR

O Programa de Formação de Agentes Locais de Vigilância em Saúde (Proformar) resulta de uma parceria entre a Fundação Nacional de Saúde/Funasa e a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz.

O Curso contribui para a construção de um projeto político-pedagógico dentro do SUS e conta com o apoio de estados e municípios; da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e do Canal Saúde.

Com educação continuada e permanente, o Proformar conjuga o ensino a distância com o presencial, por meio de uma rede de articuladores pedagógicos, de suporte logístico, dos Núcleos de Apoio à Docência e de materiais didáticos que estabelecem estreita relação entre teoria e prática, ensino e serviços, escola e comunidade. (Fonte:http://www.ead.fiocruz.br/curso)



Programa Enseada Limpa

O Programa ENSEADA LIMPA, de iniciativa da Prefeitura de Niterói, foi lançado em 2013, no início da atual administração, e tem como objetivo maior fazer com que a Enseada de Jurujuba seja a primeira área da Baía de Guanabara a ser totalmente despoluída.
Coordenado pelo vice-prefeito Axel Grael, o programa envolve diversas secretarias municipais e a concessionária Águas de Niterói.  Abrange ações de urbanização e instalação de banheiros nas residências nas quais foi constatada a ausência; ampliação da rede coletora de esgoto e das ligações domiciliares à rede; iniciativas para a gestão de resíduos sólidos, como a não colocação de lixo nas encostas; entre outras medidas.
O Enseada Limpa tem como base territorial a bacia hidrográfica da Enseada de Jurujuba, que abrange os bairros de São Francisco, Charitas, Jurujuba, Cachoeira e parte do Largo da Batalha, além das comunidades de Gavião, Jamelão, Igrejinha, Ponte Velha, Maceió, Preventório, Peixe Galo, Cascarejo e Salinas, entre outras. O programa visa a melhor qualidade das águas e do meio ambiente de modo geral e, sobretudo, a melhoria da qualidade de vida da população desses locais.  (Fonte:  http://www.niteroi.rj.gov.br)

quarta-feira, 20 de abril de 2016

CCZ promove palestra sobre arboviroses no Miranda Barroso





O Centro de Controle de Zoonoses – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – promoveu palestra sobre arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya) no Grupo de Ensino Miranda Barroso, no Largo da Batalha.  A ação educativa em saúde ocorreu nos dias 18 e 19 deste mês em atendimento ao convite das professoras Letícia Carloni Ribeiro e Maria Fernanda Marques.

O objetivo foi aprofundar informações sobre a temática que os alunos já haviam estudado e prepará-los para serem multiplicadores no dia da Feira de Ciências que será realizada em 30/04.

A agente Patrícia de Oliveira desenvolveu bate-papo interativo e apresentação de slide-show, abordando conhecimentos sobre três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.

Os estudantes participaram ativamente, demonstrando interesse em aprender detalhes sobre as arboviroses relacionadas, com perguntas e questionamentos pertinentes e maduros.  A atividade foi consideravelmente satisfatória. 

Ao final, agradeceram a iniciativa e prometeram se empenhar para sensibilizar os visitantes do evento sobre a importância de se combater o Aedes aegypti no ambiente de convívio, evitando assim a proliferação das doenças.




Alunos da Escola Municipal Adelino Magalhães participam de palestra sobre arboviroses



Alunos da Escola Municipal Adelino Magalhães, em Engenhoca, participaram de palestra sobre arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya) nesta terça-feira (19/04).  Realizada pela equipe de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses, a ação educativa teve como objetivo despertar nos estudantes a importância de se combater a proliferação do mosquito no ambiente de convívio.  

Os agentes Jonas Queiróz e Maria Cristina Crisóstomo abordaram a temática por meio de explanação e apresentação de slide-show. As crianças aprenderam mais sobre as três doenças e seus sintomas, os riscos envolvidos, características do inseto, prevenção e tratamento.  

Participaram da atividade turmas do 1º ao 5º anos do ensino fundamental. Todas demonstraram interesse em conhecer mais sobre o assunto, uma vez que o Aedes Aegypti transmite não apenas o vírus causador da dengue, mas agora os da zika e chikungunya também.  A maioria apresentou alguma dúvida, relato ou questionamento, que foi prontamente debatido e esclarecido. 

CCZ leva palestra sobre arboviroses à Escola Municipal Júlia Cortines



O Centro de Controle de Zoonoses – através da equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde – realizou palestra sobre arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya) para alunos da Escola Municipal Júlia Cortines, em Icaraí, nesta segunda e terça-feira (18 e 19/04).

O objetivo foi despertar nos estudantes a importância de se combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti – transmissor dos vírus causadores das doenças dengue, zika e chikungunya – no ambiente de convívio. 

A ação educativa em saúde foi ministrada pelas agentes Daniele Caviare e Leila Neves, que desenvolveram a temática com bate-papo interativo, apresentação de slide-show e exibição de vídeo. Turmas do 1º e 5º anos aprenderam mais sobre as três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor. 

As crianças participaram ativamente, demonstrando interesse em conhecer mais sobre o assunto.  A maioria apresentou alguma dúvida, relato ou questionamento, que foi prontamente debatido e esclarecido.  

segunda-feira, 18 de abril de 2016

CCZ participa do “Dia da Família na Escola”





O Centro de Controle de Zoonoses – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) –participou neste sábado (16/04) do evento “Dia da Família na Escola”, a convite da direção da Escola Municipal André Trouche, no Barreto. O objetivo foi sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância de cada um fazer a sua parte no combate ao mosquito Aedes aegypti – transmissor da dengue, chikungunya e zika –, com a vigilância constante do ambiente de convívio, evitando a água parada em locais que possam servir como criadouros do inseto.

A manhã na unidade de ensino contou com apresentação de dança, oficinas, palestras, estandes educativos, entre outras atividades de informação e reflexão que os alunos desenvolveram juntamente com seus familiares.

A equipe do IEC, representada por Antônio Pessoa e Élcio Nascimento, realizou as seguintes ações:  oficina de pintura de desenhos para as crianças, distribuição de revistinhas informativas, palestra com apresentação de slide-show para os pais, e estande educativo na qual os participantes puderam observar maquetes ilustrativas que mostram o ambiente certo e o errado para a proliferação de mosquitos numa residência.

Famílias – entre adultos, adolescentes e crianças – participaram ativamente das propostas de integração e aprendizagem do evento, numa oportunidade a mais de conhecerem a escola, e desta, por sua vez, conhecer a realidade de vida do aluno, de seu cotidiano, de seu ambiente familiar e social, de seus desejos e aspirações.



Dia Nacional da Família na Escola

Evento promovido pelo Ministério da Educação, realizado duas vezes ao ano e que tem como objetivo sensibilizar a sociedade, pais, professores e diretores para a importância da integração e do acompanhamento dos pais e familiares nas atividades pedagógicas e socioeducativas desenvolvidas pela escola de seus filhos. A ideia é que os estabelecimentos, públicos e particulares, criem uma série de atividades durante esse dia, quando os pais poderão também sugerir maneiras de integrar melhor a escola e a comunidade. A data estabelecida como Dia Nacional da Família na Escola é geralmente acertada entre o ministro e secretários estaduais de Educação e representantes da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

O primeiro Dia Nacional da Família na Escola ocorreu em 24 de abril de 2001. A proposta surgiu após a divulgação dos resultados do Sistema de Avaliação de Educação Básica (Saeb), que mostraram melhorias nas notas e diminuição da evasão escolar de alunos cujos pais acompanhavam seu desenvolvimento nas aulas. Para o evento, cada escola define sua programação, de acordo com as possibilidades de diretores, professores, pais e alunos, mas o MEC distribuiu cartilhas com sugestões de atividades. A campanha do Dia Nacional da Família na Escola conta com o apoio das secretarias estaduais e municipais de educação, clubes de mães, centros de voluntariado, além das associações de pais e mestres (APMs). (Fonte:  http://www.educabrasil.com.br/dia-nacional-da-familia-na-escola/)








 



sexta-feira, 15 de abril de 2016

Educação em Saúde fala sobre arboviroses na Escola Municipal Maria de Lourdes




Principais arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti no momento.  Este foi o tema da palestra ministrada pela equipe de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses, na Escola Municipal Professora Maria de Lourdes Barbosa Santos, bairro Fonseca, nesta quinta-feira (14/04). O objetivo foi despertar nos alunos a importância de se combater a proliferação do mosquito no ambiente de convívio, evitando assim as doenças dengue, zika e chikungunya.  

Por meio de bate-papo interativo e apresentação de slide-show, os agentes Hugo Costa e Maria Cristina Crisóstomo falaram aos estudantes e professores sobre as três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.  

Participaram da atividade turmas do 1º ao 5º anos do ensino fundamental. Todas demonstraram interesse em conhecer mais sobre a temática, uma vez que o Aedes Aegypti transmite não apenas o vírus causador da dengue, mas agora os da zika e chikungunya também.  Dúvidas, relatos e questionamentos foram expostos por boa parte das crianças, suscitando debates e oportunidade de esclarecimento.  




Palestra sobre arboviroses no Pingo de Gente




Alunos do Espaço de Educação Pingo de Gente, em São Domingos, participaram de palestra sobre arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti – dengue, zika e chikungunya – nesta semana (11 e 12/04).  Realizada pela equipe de Informação, Educação e Comunicação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses, a ação educativa teve como objetivo despertar nos estudantes a importância de se combater a proliferação do mosquito no ambiente de convívio.  

As agentes Daniele Caviare e Leila Neves abordaram a temática por meio de explanação e apresentação de slide-show. As crianças aprenderam mais sobre as três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.  

Participaram da atividade turmas do 1º ao 5º anos do ensino fundamental. Todas demonstraram interesse em conhecer mais sobre o assunto, uma vez que o Aedes Aegypti transmite não apenas o vírus causador da dengue, mas agora os da zika e chikungunya também.  A maioria apresentou alguma dúvida, relato ou questionamento, que foi prontamente debatido e esclarecido. 

quinta-feira, 14 de abril de 2016

CDC CONFIRMA RELAÇÃO DE ZIKA COM MICROCEFALIA


O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos divulgou um estudo no qual conclui que o vírus ‎Zika‬ pode provocar ‪‎microcefalia‬ e lesões cerebrais fetais graves. No artigo publicado no New England Journal of Medicine, os autores disseram que, após estudos, está confirmada a relação do vírus com a microcefalia.



O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) divulgou nesta quarta-feira (13) um estudo no qual conclui que o vírus Zika pode provocar microcefalia e lesões cerebrais fetais graves. No artigo publicado no New England Journal of Medicine, os autores disseram que, após estudos, está confirmada a relação do vírus com a microcefalia.

“Agora está claro que o vírus provoca microcefalia. E também estamos estudando como o Zika pode ser a ponta do iceberg para outras lesões cerebrais e problemas de desenvolvimento”, detalhou Tom Frieden, diretor do CDC. Segundo ele, a confirmação só reforça a necessidade de que mulheres grávida e seus parceiros evitem 100% a infecção pelo vírus Zika.

Entretanto o relatório pondera que nem todas as gestantes infectadas pelo vírus Zika tiveram fetos com microcefalia, por isso não se pode concluir que só a presença do vírus desencadeia a doença. “Ainda não há uma prova conclusiva sobre isso”, informou o estudo.

Para os pesquisadores, estabelecer a relação causal entre o Zika e as doenças no cérebro dos fetos representa um passo importante para uma conclusão definitiva, mas a prevenção no momento é a chave para evitar novos casos.

O CDC voltou a recomendar que mulheres grávidas evitem viajar para regiões afetadas com casos de contaminação pelo Aedes aegypiti, bem como o uso de preservativo nas relações sexuais. Outra medida é evitar gestações em caso de viagem ou permanência nos lugares com incidência de casos do vírus Zika.



Fonte: Canal Saúde


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Alunos da Escola Municipal Maria Ângela aprendem sobre arboviroses



Despertar nos alunos a importância de se combater o mosquito Aedes aegypti no ambiente de convívio.  Esse foi o objetivo da palestra sobre arboviroses (dengue, chikungunya e zika) realizada pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – na Escola Municipal Professora Maria Ângela Moreira Pinto, em São Francisco.

Alunos do ensino fundamental participaram da ação educativa ministrada por Daniele Caviare e Leila Neves na última semana (04 a 07/04).  As agentes desenvolveram a temática por meio de explanação e apresentação de slide-show. Estudantes e professores aprenderam mais sobre as três doenças e seus sintomas, características do inseto, principais medidas de prevenção, e combate aos possíveis criadouros do vetor.  

A maioria apresentou alguma dúvida, relato ou questionamento, que foi prontamente debatido e esclarecido.  

terça-feira, 12 de abril de 2016

Ação educativa sobre arboviroses na Escola Madre Ângela





Alunos da Escola Madre Ângela, em Badu – projeto social de educação infantil do Colégio Assunção –, participaram de uma ação educativa sobre as principais arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti no momento atual – dengue, zika e chikungunya. O objetivo foi fazer com que as crianças entendessem a temática de maneira divertida, estimulando ações preventivas e a multiplicação das informações na família. 

Realizada pelo Controle de Zoonoses de Niterói, através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC), o evento se deu nos dias 29 e 30 de março, e 04 e 06 de abril.  

A agente Patrícia Oliveira desenvolveu atividades lúdicas e interativas nas quais os alunos aprenderam como evitar a proliferação do mosquito.  Para o Jardim I e II, contou a história do Mosquito Dedé.  Todos participaram com muito entusiasmo e recontaram com riquezas de detalhes.  Já com as maiores do Jardim III, trabalhou com a exibição do vídeo “A Turma do Bairro”, que chamou a atenção das crianças para os cuidados que devemos ter no ambiente de convívio.  Ao final, relataram o que aprenderam e elaboraram, com os professores, cartazes sobre as diversas formas de eliminar possíveis criadouros.








Nos dias seguintes à atuação do IEC, a escola promoveu oficinas artísticas a fim de fazer com que os pequenos se expressassem criativamente a partir do que viram e apreenderam. Com o auxílio e monitoramento dos professores, confeccionaram maquetes, painéis, cartazes e mosquitos em garrafa PET.  A participação da garotada foi ativa, resultado dessa possibilidade de ser, sentir, fazer e conhecer brincando – de maneira lúdica e prazerosa.