quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Alunos da UMEI Olga Benário recebem palestra sobre pediculose





Com o objetivo de sensibilizar os alunos sobre o piolho e os prejuízos à saúde por ele causados, bem como a importância de se prevenir possível infestação desse inseto no ambiente escolar e familiar, a equipe do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses – realizou palestra sobre pediculose na Unidade Municipal de Educação Infantil Olga Benário Prestes, no Engenho do Mato, nesta quarta-feira (26/10).

Por meio de bate-papo, os agentes Élcio Nascimento, Lílian Barcellos e Rita Costa indagam os pequenos sobre o assunto a fim de avaliar seus conhecimentos prévios, bem como suas dúvidas e curiosidades.  Na sequência, os palestrantes apresentaram a temática com explanação e exibição de slide-show, abordando tópicos como características do piolho, ciclo de vida e hábitos do inseto, prevenção e tratamento.

As crianças participaram ativamente, interagindo o tempo todo.  Quando imagens de piolhos apareciam na tela, elas prontamente se manifestavam com gestos em sinal de repúdio. 

A partir da resposta do público, a equipe considerou atividade positiva e satisfatória.











CCZ integra ação educativa na Escola Horácio Pacheco




Nesta terça-feira (25/10) o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) participou de uma ação educativa promovida pela Escola Municipal Professor Horácio Pacheco, no Cantagalo.  A atividade contou com agentes dos setores de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) e do Serviço de Controle de Vetores (SECOV) para falar sobre arboviroses aos alunos do ensino fundamental e professores.

O IEC desenvolveu explanação temática interativa, abordando informações sobre as principais arboviroses de interesse em Saúde Pública no país atualmente – dengue, zika e chikungunya –, as três doenças e seus sintomas, características do mosquito transmissor (o Aedes aegypti), medidas de prevenção, e o uso da bactéria Wolbachia no controle do Aedes.  Agentes do SECOV contaram suas experiências cotidianas de combate ao mosquito para ilustrar a palestra.

A participação dos estudantes foi ativa. Todos esclareceram dúvidas e relataram situações de descaso quanto aos objetos que acumulam água limpa e parada em suas residências.  Ao final, receberam panfletos e outros informativos.  O resultado foi bem satisfatório.

O evento contou também com a participação de alunos do curso de medicina da Universidade Federal Fluminense realizando palestra sobre cuidados com animais domésticos.

Equipe do CCZ:  Patrícia de Oliveira (IEC); Pierre, Demétrio e Wanderlei (SECOV).











quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Educação em Saúde integra projeto de meio ambiente







Como parte do projeto de meio ambiente da Escola Municipal Vera Lúcia Machado, bairro Badu, o setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), realizou ação educativa sobre arboviroses (em especial, dengue, zika e chikungunya) nesta unidade de ensino na última quinta-feira (20/10).                         

O objetivo da atividade foi ressaltar nos alunos do 5º ano do ensino fundamental a importância de se combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti no ambiente de convívio, evitando assim as arboviroses. 

Por meio de bate-papo interativo, a agente Patrícia de Oliveira indagou e avaliou os conhecimentos prévios dos alunos, bem como suas dúvidas e curiosidades.  A partir das informações obtidas, apresentou o assunto, nos moldes de debate, abordando tópicos como: as três doenças (dengue, zika e chikungunya) e seus sintomas, características do mosquito, principais medidas de prevenção e combate ao vetor, uso da bactéria Wolbachia no controle do Aedes aegypti.

A participação do público foi bem positiva, com demonstrações de interesse em aprender mais, evidenciadas em questionamentos, perguntas à palestrante, anotações e desenhos temáticos em caderno.  Atividade satisfatória.

A continuidade do projeto se dará na próxima quinta-feira (27/10) – com uma caminhada temática no entorno da escola, acompanhada do professor de educação física e da professora Margareth – e com a multiplicação das informações pelos alunos na Feira de Ciências que se realizará em 28 de novembro.









Prevenção contra o câncer de mama também nos bichos.





O movimento conhecido mundialmente como Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama em mulheres e homens. A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama e promover a conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença.

O que poucas pessoas sabem é que os animais também são vítimas deste tipo de câncer, que tem inclusive uma incidência considerada alta entre cães e gatos. Em ambos os casos, o diagnóstico é feito através de exames de rotina. Normalmente a doença aparece mais em cadelas e gatas não castradas devido à grande produção de hormônios no período da fertilização. Depois dos seis anos a chance aumenta, então é preciso cuidado redobrado.

E no clima da campanha, a Unidade de Controle da População Animal (UCPA), do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) promoveu na manhã desta terça-feira (25/10) o “OUTUBRO ROSA, PET ROSA!”,  evento que reuniu animais de estimação e seus donos, possibilitando a sensibilização dos proprietários quanto aos fatores de risco e necessidade de prevenção, tanto em relação aos bichos quanto mulheres e homens.  

Palestrantes da UCPA, do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) e da Associação dos Amigos da Mama de Niterói (ADAMA) abordaram a temática através de explanação, demonstração de autoexame (humanos), e distribuição de material informativo. O setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC /CCZ) atuou com seu estande educativo onde, além da exposição de maquetes e disponibilização de folders e panfletos educativos, os profissionais orientaram os participantes sobre guarda responsável de animais e a importância da castração.






Para o chefe da Seção de Controle de População Animal do CCZ, Fábio Villas Boas, o exame nos animais tem uma importância semelhante ao realizado na mulher:  "Examinamos a mama para ver se tem algum início de tumoração e realizamos a ultrassonografia para visualizar o útero e os ovários para ver se o animal está com algum tipo de inflamação ou com tumores. O diagnóstico precoce é fundamental para que esse animal tenha qualidade de vida. O câncer em animais tem tratamento cirúrgico e até quimioterapia. Assim como nos humanos, a chave é detectar antes", explica Fábio.  Durante o evento, o Centro de Castração /UCPA realizou 16 exames gratuitos de ultrassonografia nas mamas, útero e ovários de gatas e cadelas. 

Chanel, cadela de 1 ano e 11 meses, fez sucesso no evento. O dono, Jorge Pereira, de 68 anos, aposentado, conta que ela foi castrada no UCPA e elogiou o atendimento:  "São exames caros, que nem sempre a população tem condições de pagar e o animal acaba ficando desassistido. Então é uma grande iniciativa. A Chanel foi castrada aqui, o atendimento foi excelente, a recuperação dela foi ótima. Ficamos tão satisfeitos que continuamos em contato com a equipe, passeamos por aqui às vezes, e agora ela voltou para participar do Pet Rosa", elogia. 

Outra que aproveitou a gratuidade para ter seu animalzinho examinado foi Raimunda Alves, de 59 anos. Ela levou a cadelinha Mel, de 6 anos, e aproveitou para participar da palestra sobre prevenção do câncer de mama em humanos:  "Gostei. Paguei caríssimo em uma veterinária para ela fazer esse exame no ano passado e hoje ela pôde fazer gratuitamente. A Mel tem um probleminha genético e precisa passar por exames sempre. Amei o serviço. Eu gosto muito dos meus animais e eles merecem todo o carinho e cuidado. Também achei  muito interessante esse trabalho.", afirma Raimunda. 




 













Castração 

O Centro de Castração /UCPA foi reaberto em 2013 e já realizou quase três mil cirurgias gratuitas. Apenas este ano, foram 667 procedimentos. A meta, segundo Villas Boas, é alcançar mil cirurgias até o fim de dezembro.

As inscrições são abertas para os munícipes a cada dois meses. Para agendar a cirurgia, o responsável pelo animal deve entrar em contato com o Centro de Castração pelo telefone. A partir disso, a pessoa deve ir até o local munida de documento de identidade e comprovante de residência para efetuar a inscrição. 

O Centro de Castração /UCPA fica na Rua Silvestre Rocha, nº 2, esquina com a Rua Lemos Cunha, em Icaraí. O telefone é o (21) 2711-0113. 


Fonte parcial do texto:  Prefeitura de Niterói 
Imagens:  CCZ



segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Fiocruz divulga nota sobre áudios no Whatsapp referentes à doença transmitida por macacos




24/10/2016


NOTA OFICIAL: Alguns áudios têm circulado no Whatsapp sobre um princípio de pandemia mundial gerado por uma doença letal que estaria sendo transmitida por macacos. Os áudios citam ainda que a Fiocruz estaria contratando vários zootecnistas do mercado para trabalhar no caso. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) esclarece que essas informações são inverídicas. Não há uma pandemia mundial sendo ‘abafada’ e não se pode falar em qualquer doença até o momento, uma vez que o laudo definitivo ainda não foi emitido. A Fiocruz confirma o recebimento de amostras de primatas da cidade do Rio de Janeiro para análise laboratorial no dia 13/10. Destacamos, no entanto, que não houve e nem haverá contratação de zootecnistas para avaliar o caso. As amostras seguem o protocolo e o fluxo padrão da Fiocruz para seu processamento. O laudo definitivo será enviado à Secretaria Estadual de Saúde. A Fiocruz vem trabalhando em estreita articulação com a Secretaria Estadual de Saúde, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro e a Universidade Estácio de Sá.

Busque informações de fontes seguras e confiáveis.

Não espalhe boatos. A boataria é um desserviço à população.





Educação em Saúde participa da SIPAT na Universo



O setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) –  participou da Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho, promovida pela Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), Centro, no período de 17 a 21/10.  A SIPAT teve como objetivo divulgar, orientar e promover a prevenção de acidentes, segurança e saúde no trabalho.

O IEC atuou com estande educativo sobre zoonoses e doenças de transmissão vetorial, onde desenvolveu explanação temática, exposição de maquetes e distribuição de material informativo.  A equipe prestou informações e orientações sobre arboviroses (dengue, zika e chikungunya), roedores, pombos, entre outros agravos, com o propósito de sensibilizar os visitantes sobre a importância da prática de medidas preventivas para se evitar a proliferação de doenças.

Equipe:  Adriana Heizer, Antônio Pessôa, Delcir Vieira,  Jonas Queiróz,  Lílian Barcellos, Maria Cristina Crisóstomo,  Rodolfo Matta e Rosani Loureiro.








sábado, 22 de outubro de 2016

Arboviroses é tema de palestra no Colégio Estadual Cizínio Soares







Informar, discutir e esclarecer sobre o que são arboviroses, os riscos envolvidos, prevenção e tratamento.  Esse foi o objetivo da palestra promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses de Niterói (CCZ) – através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – no Colégio Estadual Cizínio Soares Pinto, em São Francisco.

Alunos do ensino fundamental (5º ao 9º anos) participaram da ação educativa ministrada pela equipe do IEC nesta semana (17 a 20/10). Na oportunidade, aprenderam mais sobre as três principais arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti no momento (dengue, chikungunya e zika), características do inseto, dados atuais sobre a situação da microcefalia no país, e principais medidas de prevenção e combate ao vetor.

A atividade se desenvolveu por meio de diálogo interativo, apresentação de slide-show e distribuição de panfletos.   Uma equipe do projeto científico ‘Eliminar a Dengue: Desafio Brasil’, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), falou sobre a utilização de uma bactéria chamada Wolbachia – que existe naturalmente em mais de 60% dos insetos –, para reduzir a transmissão do vírus da dengue pelo mosquito Aedes aegypti.

O envolvimento e a participação dos adolescentes foram satisfatórios.  A ideia é fazer com que os alunos sejam multiplicadores das informações de prevenção das doenças entre seus familiares, amigos e vizinhos. 



Equipe do IEC:  Adriana Heiz, Daniele Caviare, Delcir Vieira, Hugo Costa, Lílian Barcellos e Maria Helena Costa