segunda-feira, 24 de julho de 2017

1ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE


Criado em 24/07/17 - Atualizado em 11/08/17

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) esclarece que a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde de Niterói teve sua data prorrogada para 18 e 19 de agosto. O local permanece no Bloco F da Universidade Federal Fluminense (UFF), Campus do Gragoatá.

O evento vai reunir usuários, profissionais, gestores, professores, alunos e representantes da sociedade organizada para discutir e elaborar propostas nas áreas de Vigilância Sanitária, Ambiental e Epidemiológica do município.
Na sexta, 18, das 15h às 20h, está programada mesa de abertura com a participação da secretária de saúde Maria Célia Vasconcellos e palestras com profissionais e especialistas, como o médico Aluísio Gomes Junior, diretor da Escola de Saúde Coletiva da UFF.

No dia seguinte, das 9h às 19h, todos os participantes vão se reunir em grupos de trabalho para elaborar as propostas que serão avaliadas na plenária final, de forma democrática.

Após os debates, serão escolhidos delegados para representar Niterói na Conferência Regional da Metropolitana II de Vigilância em Saúde, que vai ocorrer no município de Maricá, nos dias 26 e 27 de agosto. A Conferência Estadual do Rio de Janeiro está marcada para 6 e 7 de outubro, enquanto o Nacional será de 21 a 24 de novembro.

 Interessados devem mandar email para o endereço:
conferenciadevigilanciaemsaude@gmail.com

ou ir na sede do Conselho Municipal de Saúde (Av. Ernani do Amaral Peixoto, 169, sala 702).


Fonte:  Fundação Municipal de Saúde



Veja também:
Abertas inscrições para a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde

CMS realiza reunião preparatória para a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde


sexta-feira, 14 de julho de 2017

CMS realiza reunião preparatória para a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde


Criado em 14/07/17 - Atualizado em 11/08/17



O Conselho Municipal de Saúde de Niterói (CMS) promoveu na tarde de terça-feira (11/7), no auditório Nelly Cantelmo do Hospital Municipal Carlos Tortelly, reunião preparatória para a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde (1ª CMVS), que, de acordo com o Decreto 12547, de 31 de janeiro deste ano, assinado pelo prefeito Rodrigo Neves, deverá se realizar em Niterói, entre os dias 18 e 19 de agosto.  O local será a Universidade Federal Fluminense (UFF), Campus Gragoatá, no Bloco F da Faculdade de Economia.

Com o tema: "Vigilância em Saúde, Direito, Conquistas e Defesa de um SUS Público e de Qualidade”, o evento terá como objetivo avaliar e discutir a política municipal do setor. Para isso, conselheiros do CMS, profissionais de saúde e líderes comunitários estiveram presentes, ocasião em que foi analisado e discutido o documento orientador da conferência e divulgadas as ações realizadas por toda Rede Municipal de Vigilância em Saúde, que reúne a Coordenação de Vigilância em Saúde (Covig), o Departamento de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses (Devic), o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest).

Niterói, de acordo com dados do Devic, tinha até maio deste ano 2.388 comércios cadastrados que vendem alimentos, entre mercados, lanchonetes, bares, restaurantes e similares. Outro dado importante divulgado é que nestes últimos três anos, as equipes da Vigilância de Alimentos realizaram mais de sete mil inspeções, emitiram mais de 467 autos de infração e interditaram 30 estabelecimentos.

Estiveram presentes à reunião os chefes:  Ana Eppinghaus,  Covig;  Renato Alves, Devic – Silvia Malheiros (Vigilância Sanitária de Alimentos),  João Carlos Felipe (Seção de Medicamentos e Correlatos), Ricardo Couto (Engenharia Sanitária), Fabíola Ambrósio (Vigilância Sanitária em Serviços de Saúde);  Francisco de Faria Neto, CCZ – Cláudio Moreira (Seção de Controle Ambiental), Fernando Conceição (Setor de Controle de Vetores), Fábio Vilas Boas (Seção de Controle da População Animal).


Principais questionamentos e depoimentos:

“A qualidade de vida passa pela saúde ambiental, pela moradia, pela mobilidade urbana. Existe essa transversalidade, parceria com o pessoal da Clin no sentido de prevenção, controle e escoamento do lixo em Niterói ?”  Vânia Bretas, professora e  coordenadora da União Brasileira de Mulheres de Niterói.

“O lixo continua indo para o Aterro Controlado no Morro do Céu. Em relação à questão da transversalidade, temos um trabalho junto à Defesa Civil muito intenso, não só com a formação dos agentes que participam dos programas da Defesa Civil, como também os nossos agentes são capacitados pelo pessoal da Defesa Civil para identificar eventuais riscos de deslizamento, de queda de barreira. Os agentes do Setor de Controle de Vetores trabalham de maneira setorizada. Cada agente é responsável por cerca de mil imóveis da cidade, isto é, a cada dois meses os agentes percorrem todos os imóveis da cidade de Niterói. A possibilidade deles poderem identificar eventuais riscos de queda de barreira ou desabamento nesses lugares, uma vez que estejam capacitados, é muito grande. 
Temos uma parceria muito boa com o pessoal da Clin para recolhimento de pneus e lixo que favorecem o aparecimento de mosquitos e ratos.
É importante haver a integração de trabalhos, a intersetorialidade proposta pelo SUS, para que possamos ter melhores resultados.”
Francisco de Faria Neto, chefe do Centro de Controle de Zoonoses.

“A vigilância propriamente dita só se dará com completa eficácia quando a população tiver a chamada consciência sanitária. Fiquei sensibilizada com a proposta da criação da subsecretaria de vigilância sanitária e levarei essa proposta ao nosso secretário de participação social no sentido de lembrar e fortalecer essa concepção de vocês.” Marlene Santos Barroso, da Secretaria de Participação Social.


Inscrições
As inscrições para a 1ª CMVS estão abertas. Os interessados terão até o dia 3 de agosto para se inscrever. Para isso, deverão se dirigir à sala do CMS, localizada à Avenida Ernani do Amaral Peixoto, 169 / sala 702, no Centro de Niterói.  Ou então realizar a inscrição por e-mail:  conferenciamunicipaldevigilanciaemsaude@gmail.com








Fonte parcial do texto:  Fundação Municipal de Saúde de Niterói
Fonte dos questionamentos e depoimentos:  Blog do CCZ de Niterói
Fonte das imagens:  Blog do CCZ de Niterói e Fábio Vilas Boas.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Alunos da Escola Paulo Freire recebem ação educativa sobre arboviroses





Alunos da Escola Municipal Paulo Freire, no Fonseca, receberam palestra sobre arboviroses promovida pelo setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC) – do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) na última sexta-feira, dia 07/07.  

A ação educativa em saúde teve como objetivo alertar as turmas do 5º ano e especiais, do Ensino Fundamental, sobre os perigos à saúde causados por essas doenças.  

O agente Rodolfo Matta envolveu os estudantes na temática por meio de bate papo interativo e apresentação de slide-show.  Os principais tópicos abordados foram: doenças dengue, zika e chikungunya e seus sintomas; as características do mosquito transmissor (o Aedes aegypti); medidas de prevenção e combate ao vetor. Na oportunidade, falou também sobre outra importante arbovirose, a febre amarela, devido aos recentes surtos no país.

Segundo o palestrante, os participantes sabiam muito sobre o tema e ainda assim demonstraram interesse em aprender mais, especialmente sobre a febre amarela (transmissão, vacina e período de vacinação).

A atividade foi solicitada pela professora Fernanda Cavadas Rios, como reforço de informações e finalização de trabalhos sobre o Aedes aegypti que foram desenvolvidos com as turmas previamente.




segunda-feira, 10 de julho de 2017

Abertas inscrições para a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde

Criado em 10/07/17  -  Atualizado em 11/08/17




Nesta terça-feira (11/07) serão abertas inscrições para participação na 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde, e seguem até o dia 01 de agosto de 2017.

Funcionários da prefeitura e usuários dos serviços municipais de saúde interessados poderão se inscrever por e-mail ou diretamente no Conselho Municipal de Saúde.

E-mail:  conferenciamunicipaldevigilanciaemsaude@gmail.com 

Conselho Municipal de Saúde:  Avenida Ernani do Amaral Peixoto, 169 - sala 702 - Niterói (Centro).


A CONFERÊNCIA

A 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde será nos dias 18 e 19 de agosto de 2017 na Universidade Federal Fluminense (UFF) - Campus do Gragoatá, Bloco F, Faculdade de Economia.

Eixo principal da conferência:  "Política Nacional de Vigilância em Saúde e o fortalecimento do SUS como direito à proteção e promoção da saúde do povo brasileiro".

Subeixo 1:  O lugar da vigilância em saúde no SUS.
Subeixo 2:  Responsabilidade do Estado e dos governos com a vigilância em saúde.
Subeixo 3:  Saberes, práticas, processos e trabalhos e tecnologias na vigilância em saúde.
Subeixo 4:  Vigilância em saúde participativa e democrática para enfrentamento das iniquidades sociais em saúde.


sexta-feira, 7 de julho de 2017

Sábado será Dia D de imunização contra a febre amarela em Niterói




Será realizado no próximo sábado (08/07) o Dia D de vacinação contra a febre amarela em Niterói. Das 8h até às 14h a imunização estará disponível em 30 unidades de saúde do município. As pessoas que comparecerem às salas de vacina também poderão atualizar as suas cadernetas caso tenham alguma vacina pendente.

A secretária municipal de Saúde, Maria Célia Vasconcellos, explica que podem se vacinar contra a febre amarela pessoas entre 9 meses e 59 anos de idade. Seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde adotou os padrões internacionais da dose única. Ou seja: quem toma a vacina da febre amarela no Brasil está imunizado pelo resto da vida.

“Neste sábado estaremos mobilizados na vacinação contra a febre amarela. É importante que as pessoas que tenham dificuldade em comparecer às unidades durante a semana, aproveitem a oportunidade de receber a imunização e se proteger da doença”, destaca a secretária informando que, em Niterói, já foram imunizadas 160 mil pessoas só este ano e 243.388 pessoas nos últimos 10 anos.

A vacinação contra a febre amarela faz parte do calendário de imunizações de Niterói e, desde o mês de março, quando os primeiros casos da doença surgiram no Estado do Rio de Janeiro, a Prefeitura aumentou a oferta da vacina através da abertura de novas salas de imunização, solicitando novas remessas de vacina ao Governo do Estado e destacando duas equipes volantes para vacinar a população que reside em áreas próximas às matas e limites com outros municípios, como Várzea das Moças, Muriqui, Matapaca e Região Oceânica.

Contraindicação – A imunização contra febre amarela é contraindicada para: pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados; pessoas com doença febril aguda, com comprometimento do estado geral de saúde; ou ainda pacientes com doenças que causam alterações no sistema de defesa (nascidas com a pessoa ou adquiridas), assim como terapias imunossupressoras – quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides, por exemplo; indivíduos portadores de Lúpus Eritematoso Sistêmico ou com outras doenças autoimunes; pacientes que tenham apresentado doenças neurológicas de natureza desmielinizante (Síndrome de Guillain-Barré, ELA, entre outras) no período de seis semanas após a aplicação de dose anterior da vacina; pacientes transplantados de medula óssea; pacientes com histórico de doença do Timo; crianças menores de seis meses de idade; crianças menores de dois anos de idade que não tenham sido vacinadas contra febre amarela não devem receber as vacinas tríplice viral ou tetra viral junto com a vacina contra FA. O intervalo entre as vacinas deve ser de 30 dias.

Gestantes, mulheres que estejam amamentando, bebês maiores de seis meses e menores de nove meses e idosos com mais de 60 anos que residam em área de circulação do vírus, além de pacientes com o vírus HIV, devem passar por um profissional de saúde para avaliar a possibilidade de vacinação.


Salas de vacina

Policlínica Regional Dr. Carlos Antônio da Silva
Rua Jansen de Mello s/nº - São Lourenço
Tel.: 2717-1426 e 2719-0050

Policlínica Regional Dr. Sérgio Arouca
Praça Vital Brazil s/nº - Santa Rosa
Tel.: 2711-2366

Policlínica Regional Dr. Guilherme Taylor March
Rua Desembargador Lima Castro, 238 – Fonseca
Tel.: 2626-4170

Policlínica Regional do Largo da Batalha Dr. Francisco da Cruz Nunes
Rua Reverendo.Armando Ferreira, 30 – Largo da Batalha
Tel.: 2616-3633 e  2710-7100

Policlínica Regional de Itaipu Assistente Social Maria Aparecida da Costa
Estrada do Engenho do Mato s/nº - Itaipu
Tel.: 2609-6368 e 2709-1579

Policlínica Regional da Engenhoca Dr. Renato Silva
Avenida João Brasil, s/nº - Engenhoca
Tel.: 2628-8047 e 3603-8874

Policlínica Comunitária de Jurujuba
Av. Carlos Ermelindo Marins s/nº - Jurujuba
Tel.: 2704-9638 e 2704-9668

Médico de Família do Engenho do Mato
Estrada Irene Lopes Sodré s/nº - Engenho do Mato
Tel.: 2709-5222

PMF Jurujuba
Av.Carlos Ermelindo Marins s/nº - Jurujuba
Tel.: 2704-9638 - 99418-4268

PMF Cantagalo - Haidée Santamaria
Av. Nelson de Oliveira e Silva, S/Nº - Cantaglo
Tel 2616-5037

PMF Cafubá II - Ernesto Che Guevara
Rua Vereador Luiz Erthal, Lt. 05, Qd. 69 – Cafubá
Tel.: 2619-5268

PMF Cafubá III - Alberto Ricardo Hatin
Rua Manoel Pacheco de Carvalho 107 – Piratininga
Tel.: 2709-4374

PMF Maravista - Cte. Manoel Piñeiro Lozada
Rua Astor da Costa Menezes, S/Nº - Maravista
Tel.: 2709-0360

PMF Matapaca - Abelardo Ramirez
Rua Aurora Ribeiro, nº 5 - Pendotiba
Tel.: 2617-9269

PMF Caramujo
Rodovia Amaral Peixoto, S/n, Baldeador
Tel.: 2625-9467

PMF Sapê
Rua E, S/N, Sapê
Tel.: 97691-7231

PMF Jonathas Botelho
Trav.Jonathas Botelho, 133 – Cubango
Tel.: 2710-6367 - 99399-3550

PMF Leopoldina
Rua George Allan s/nº - Largo dos Barradas – Barreto
Tel.: 2624-0017 - 99434-5624

PMF Marítimos
Av. Machado, s/nº - Barreto
Tel.: 3703-3265 - 99492-2419

PMF Maruí
Rua Monsenhor Raeder, 151 – Barreto
Tel.: 3714-2173 - 96601-3189

UBS Baldeador - Deputado José Sally
Lot.Bento Pestana s/nº - Morro do Castro
Tel.: 2624-1224 e 2722-3761

UBS Piratininga - Dom Luiz Orione
Av. dos Pescadores – Lotes 2,3 e 4 – Piratininga
Tel.: 2618-2654

UBS Santa Bárbara - Adelino de Mendonça e Silva
Rua Jandira Pereira, 625 - Santa Bárbara
Tel: 2627-6303

UBS Centro
Rua Visconde de Uruguai, 531 - Centro
Tel.: 2620-8226 - 2612-8183

UBS Engenhoca
Rua Coronel Guimarães, 724 – Engenhoca.
Tel.:2628-8656 - 2694-0110

UBS Morro do Estado
Rua Araujo Pimenta s/nº
Tel.: 2622-1010

Clínica Comunitária da Família da Teixeira de Freitas,
Rua Teixeira de Freitas s/n - Fonseca
Tel.: 99775-3421

Clínica Comunitária da Família de Várzea Das Moças - Dr. Tobias Tostes Machado
Estrada Velha de Maricá s/nº - Várzea das Moças
Tel.: 3602-8057

Clínica Comunitária da Ilha da Conceição
Rua Jornalista Sardo Filho, 196 - Ilha da Conceição
Tel: 2620-6671 - 2620-5333 - 96871-5705

Clínica Comunitária da Família do Badu
Rua Alcebíades Pinto, s/n - Cantagalo
Tel.: 97288-6808 - 96879-6792



Fonte:  Prefeitura de Niterói

quinta-feira, 6 de julho de 2017

SES lança Campanha Estadual de Vacinação Contra Febre Amarela no RJ




Dia D acontece no próximo sábado (08/07) em postos de saúde de todo o estado


A Secretaria de Estado de Saúde lançou nesta segunda-feira (03/07) a Campanha Estadual de Vacinação contra Febre Amarela na Clínica da Família Sérgio Vieira de Mello, no Catumbi. O evento contou com a presença do ministro da Saúde, Ricardo Barros, e do secretário de Estado de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr. A iniciativa dá continuidade à estratégia de imunizar toda a população fluminense, medida preventiva anunciada no início do ano, expandindo para todo o estado a vacinação em larga escala. No próximo sábado (08/07), acontece o Dia D, data criada para chamar a atenção da sociedade quanto à importância de se proteger contra a doença.

- Temos certeza de que essa campanha vai evitar um número enorme de casos que poderiam existir no nosso estado caso as medidas preventivas não tivessem sendo tomadas. O Rio de Janeiro tinha um quadro de cobertura vacinal para febre amarela de quase zero e conseguimos, em um curto espaço de tempo, vacinar boa parte da população e registrar poucas ocorrências da doença quando comparamos a outros estados. A campanha vai mobilizar todos os municípios para abrirem seus postos de saúde e oferecer a vacina no Dia D e, depois, manter a vacinação na maioria destas unidades. Queremos que, até o final do ano, cerca de 12 milhões de habitantes do estado estejam vacinados contra febre amarela, evitando novas ocorrências da doença – ressaltou o secretário estadual de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr.

Até o momento, quase 6 milhões de doses já foram disponibilizadas aos 92 municípios, com prioridade para aqueles considerados mais vulneráveis, de acordo com a avaliação constante do cenário epidemiológico. A campanha visa vacinar todos aqueles que moram ou que vão viajar para o Rio de Janeiro, que têm entre seis meses e 59 anos e nunca receberam alguma dose da vacina. Ainda este mês, o Ministério da Saúde vai enviar 1,5 milhão de doses de vacina contra febre amarela ao estado. Além disso, a pasta se comprometeu a repassar mais 500 mil doses mensais até que toda a população seja imunizada.

- A população precisa saber que esse é o melhor momento para se vacinar. As doses estarão disponíveis nos postos e queremos agir preventivamente. Nossas medidas preventivas ajudaram a fazer com que a doença não se alastrasse no estado, salvando inúmeras vidas e evitando uma calamidade. Já temos boa cobertura nas áreas consideradas mais vulneráveis, como zonas rurais e localidades próximas às matas – explicou Luiz Antonio Teixeira Jr.

Vacina entra no Calendário de Vacinação a partir de 2018 - Entre janeiro e junho, a SES já disponibilizou 5.926.305 doses de vacinas para os 92 municípios. Com base nos pedidos de reposição de lotes feitos pelas prefeituras à pasta, a estimativa da SES é de que cerca de 5 milhões de pessoas já tenham sido vacinadas. Considerando que uma dose da vacina é suficiente para imunizar pelo resto da vida e que cerca de 1 milhão de habitantes do RJ já tenham sido imunizados anteriormente, a estimativa do Estado é que, de julho a dezembro, em torno de 5 e 6 milhões de pessoas serão imunizadas. A partir da solicitação da SES, feita no início deste ano, antes mesmo de terem sido registrados casos da doença no território fluminense, a vacina contra a febre amarela passará a fazer parte do calendário de rotina no RJ.

- Como preconizado pela Organização Mundial da Saúde, o Brasil passou a adotar a dose única da vacina contra a febre amarela, que garante a proteção do indivíduo por toda a vida, assim como já ocorre internacionalmente. Portanto, quem já se vacinou, não importa há quanto tempo, não precisa se vacinar novamente. Este é o momento de intensificar as ações e reforçar a importância da vacina junto à população ainda não imunizada. A vacina contra a febre amarela é segura e apresenta alto índice de eficácia – reforça Alexandre Chieppe, subsecretário de Vigilância em Saúde.

DIA D no sábado (08/07) – O Dia D para a vacinação está marcado para o próximo sábado (08/07), quando os postos de saúde de todos os municípios fluminenses devem convocar a população para se vacinar. É essencial que as prefeituras tracem suas estratégias de divulgação da campanha para informação aos seus habitantes. A SES irá disponibilizar peças digitais que podem ser usadas pelas prefeituras, por meio de seus canais de comunicação – www.conexaosauderj.com.br e www.febreamarelarj.com.br.





Rio de Janeiro passa a ser área de recomendação para vacinação contra a febre amarela






Meta é imunizar todos que não receberam nenhuma dose da vacina. Em julho, Ministério da Saúde enviará 1,5 milhões de doses da vacina e mais 500 mil doses por mês

Os moradores do Estado do Rio de Janeiro que não receberam nenhuma dose da vacina contra a febre amarela devem ser vacinados contra a doença. Isso porque, a partir de agora, o estado faz parte da Área com Recomendação de Vacinação Permanente para Febre Amarela. Assim, quem mora ou viaja ao Rio de Janeiro deve ser vacinado. A medida foi adotada devido aos casos de epizootias (adoecimento e morte de macacos) registrados na região, considerada área de alta densidade populacional com aumento de casos de febre amarela. O Ministério da Saúde recomenda a imunização para pessoas na faixa etária de seis meses a 59 anos de idade, que nunca tenham tomado alguma dose da vacina.

“A febre amarela no Brasil é endêmica, acontece constantemente. Se nós não controlarmos e estivermos com cobertura vacinal alta na população, teremos novos problemas. Por isso o Governo Federal decide incluir o Rio entre os estados que receberão permanentemente doses da vacina de febre amarela para garantir a cobertura vacinal elevada e evitar novos episódios de epidemia”, ressaltou o ministro da Saúde,

Para garantir a cobertura, o Ministério da Saúde enviará ao estado, ainda em julho, 1,5 milhão de doses da vacina. Além disso, a cada mês, serão repassadas mais 500 mil doses até imunizar toda a população. É importante ressaltar que cabe às Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde organizar o fluxo de vacinação. Neste ano, já foram enviadas 6,9 milhões de vacinas para o Rio de Janeiro. Em todo país, foram distribuídas 26,9 milhões de doses extras para intensificar a vacinação e garantir a proteção da população durante o surto que acometeu, principalmente, nos estados da região Sudeste.

“Estamos num quadro, até pela condição climática, de redução do número de casos de febre amarela. Mas o que a gente precisa principalmente da imprensa e da população, é que todos saibam que esse é o melhor momento para se vacinar. É o momento que não está tendo risco, é agir preventivamente para estarmos protegidos para o próximo ano”, enfatizou o Secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Antonio de Souza Teixeira Junior.

Desde abril deste ano, o Brasil adota o esquema vacinal de apenas uma dose durante toda a vida, medida que está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Atualmente, nenhum país do mundo utiliza mais o esquema de duas doses. Isso significa que quem já foi vacinado - em qualquer momento da vida - não precisa de dose de reforço. Até agora, pelo menos 4,2 milhões de pessoas foram vacinadas no Rio de Janeiro.

Além do Rio de Janeiro, a vacinação de rotina para febre amarela é ofertada em outros 19 estados (Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Maranhão, Piauí, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina). Além das áreas com recomendação, neste momento, também está sendo vacinada, de forma escalonada, a população do Espírito Santo.

ESTABILIZAÇÃO DA DOENÇA – No momento, os casos da febre amarela no país estão estáveis. Isso porque o inverno é considerado período de baixa sazonalidade, já que a população de mosquitos diminui consideravelmente. De janeiro até agora foram confirmados 797 casos da doença, com 275 mortes. Ao todo, foram notificados 3.245 casos, sendo que 1.929 já foram descartados e outros 519 permanecem em investigação. Outros 37 óbitos ainda são investigados e 124 foram descartados, do total de 436 notificações. O Rio de Janeiro confirmou 22 casos e oito óbitos. No momento, nove casos continuam sendo investigados e 56 já foram descartados.

CONTRAINDICAÇÕES – A vacina de febre amarela é a medida mais importante para prevenção e controle da doença e apresenta eficácia de 95% a 99%, além de ser reconhecidamente eficaz e segura. Entretanto, assim como qualquer vacina ou medicamento, pode causar eventos adversos como febre, dor local, dor de cabeça, dor no corpo. Ela é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres amamentando, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Pessoas com reação alérgica a ovo devem ser avaliadas por um médico.


REFORÇO DA ASSISTÊNCIA - Desde dezembro de 2016, quando houve um aumento de casos de febre amarela no país, o Ministério da Saúde intensificou ações de vigilância. Em março deste ano foram liberados R$ 19,2 milhões em recursos extras para 526 cidades afetadas pela doença nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo. 

Além disso, o Ministério da Saúde adiantou outros R$ 26,3 milhões destinados às ações de vigilância em saúde para municípios dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo. Esse valor se soma aos R$ 13,8 milhões liberados aos 256 municípios desses estados, como incentivo à vacinação da população contra a doença. Também foram repassados R$ 7,4 milhões às regiões afetadas com o aumento de casos de febre amarela em MG para custear a assistência aos pacientes. Ao todo, desde o inicio do ano, foram disponibilizados R$ 66,7 milhões às cidades afetadas pela febre amarela no país.




quarta-feira, 5 de julho de 2017

Pais de crianças da Creche Dom Orione recebem palestra sobre higiene pessoal e pediculose





Pais e responsáveis de crianças da Creche Comunitária Dom Orione, em São Francisco, receberam informações e orientações sobre higiene pessoal e pediculose em palestra educativa promovida pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), através do setor de Informação, Educação e Comunicação em Saúde (IEC).  O objetivo foi sensibilizar sobre a importância do cuidado com a saúde familiar.

A ação educativa em saúde ocorreu no dia 26 de junho e foi desenvolvida pelas agentes Daniele Caviare e Leila Neves por meio de diálogo interativo com exibição de slide-show.  Em pauta, os seguintes tópicos:  conceito de higiene, higiene pessoal e ambiental, lavagem das mãos e saúde, cuidados com a água de consumo e alimentos, piolho e sarna.

Os trinta e três participantes demonstraram considerável interesse no assunto, interagindo com relatos, perguntas e questionamentos.  “As  dúvidas mais comuns foram sobre o piolho (prevenção e tratamento) e higiene dentária”, avaliou  Daniele Caviare.  Ainda segundo a palestrante, a diretora da creche conseguiu uma parceria com o Exército para aplicação gratuita de flúor nas crianças.